Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

a vida em azul cueca

06
Nov18

224 - A minha gravidez (tardia), os filhos, a vida, o nirvana e eu


Mac

Gravidez Pedro_01.jpg

 [durante o Verão de 2011, na manhã em que entrei para a maternidade e na maternidade]

 

 

 

  

Tenho recebido bastantes mensagens com perguntas sobre a gravidez do Pedro. Muito honestamente não abordei o assunto mais cedo, porque não tenho grande coisa a dizer, espero não desiludir ninguém, mas a minha experiência de uma gravidez aos 45 anos não é nada do outro mundo e foi bem mais tranquila do que a anterior e bem mais pacífica do que já assisti em miúdas de vinte e poucos anos. Acho que por isso mesmo, porque era bem mais velha.

 

Bom, eu tive o Pedro com 45 anos e passada uma semana fiz 46, portanto tinha mais 46 anos do que 45 e foi uma das melhores experiências da minha vida. É uma maternidade muito mais tranquila, mais madura, com menos medos e quase sem comparação, porque a idade é completamente fora do comum. Acima de tudo porque na idade em que o tive algumas das minhas amigas e primas já tinham sido avós, os meus sobrinhos mais velhos já tinham acabado a faculdade e já estavam a trabalhar, agora alguns estão para casar, enfim, todas as mulheres que me rodeiam já estavam noutra fase da vida e isto acaba por ser outro patamar, mas é um patamar fantástico, tanto para ele que é o mais novo da primalhada toda, como para mim, que regressei às fraldas e biberons quando não era suposto, pelo menos como mãe.

 

A gravidez foi do mais tranquilo que se pode imaginar, mas também não era o meu primeiro filho, já sabia ao que ia, não havia grandes novidades, nem surpresas, mas também tenho noção que tenho muito boas gravidezes, enjoo pouco, não tenho grandes manias - a não ser umas birras que não contam para nada, nem interessa falar sobre elas - não ponho muito peso, não faço retenção de líquidos, não tenho a tensão arterial desregulada, só não durmo grande coisa, tenho uma azia levada da breca, uma ciática do demo e umas cãibras de bradar aos céus, nada que qualquer grávida de 20 não tenha, portanto mesmo aos 45 anos, a gravidez foi muito tranquila tanto fisicamente como emocionalmente e psicologicamente. 

 

Como qualquer grávida fiz todas as consultas, análises, ecografias e tudo, excepto a amniocentese. Foi uma opção nossa, os indicadores estavam bons, portanto optámos por não a fazer, mas esta é uma opção muito pessoal, eu tenho as minhas convicções e faço as minhas escolhas, esta foi uma delas.

 

Só posso falar da minha experiência, mas acredito que uma gravidez tardia é muito positiva e tranquila porque nós somos mais maduras, encaramos a vida de uma forma mais pacífica, temos menos medos e receios, temos mais estabilidade emocional e psicológica, e a auto-confiança ajuda muito a que tudo corra muito melhor.

 

O pós parto é que foi a minha grande surpresa, porque estava convencida que já que a gravidez era idêntica, o após também seria e não foi. Foi bem melhor, bem mais tranquilo, sem pânicos, sem aquela coisa de não saber o que fazer à frente de um mini ser, mas também era o segundo filho, portanto seria estranho se tivesse medos, mas no geral foi mais pacífico e com muito mais domínio em todas as situações, desde a amamentação, aos sonos trocados, às sestas, birras e choros. 

 

Agora. Agora tenho a idade de algumas avós dos amigos dele e a maior parte das mães têm idade para ser minhas filhas, mas isso não é um factor importante na socialização dele, nem eu acho isso assim tão estranho, é peculiar (e é sempre um bom tema de conversa), mas a verdade é que na minha família há tios mais novos do que os sobrinhos, tenho primas direitas que já são bisavós e isto tudo porque as gerações anteriores se encarregaram de ter aos 9 e 12 filhos, e quando os mais novos nasceram, os irmãos mais velhos já tinham filhos. Vendo bem, não é nada de especial e ainda vim dar mais um empurrãozinho para baralhar mais um bocadinho as gerações que já estavam baralhadas q. b. 

 

Penso muitas vezes na idade que terei quando o Pedro entrar para a faculdade, depois quando ele casar e tiver filhos. Vou ser muito velha, é incontornável, mas até lá, muitas vindimas se farão.

 

Uma gravidez tardia tem tudo para ser uma excelente experiência, portanto nada de receios, a medicina está muito avançada e nós também. Se voltasse atrás repetia tudo outra vez, sem hesitar, com ciática, azia e birras também.

 

 

 

 

  • Instagram @maria.antonia.velez

 

 

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D