Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a vida em azul cueca

25
Jun14

70 - CROCHÉ, COLAGENS, TRICÔ, FILET, BRICOLAGE E COISAS ASSIM


Mac

 

 

 

 

No outro dia fiz umas bandeirinhas de cartão forradas com tecidos, mas fiquei com vontade de fazer umas só em tecido para o quarto de brinquedos. Estas só em tecido, além de muito mais fáceis de fazer, levam menos tempo e dão outro efeito. Ficam muito giras à frente de uma janela, por exemplo.

 

Começamos por fazer um molde em cartão bem grosso daquilo que queremos recortar. Usei o cortador do Patchwork, porque dá para cortar logo várias camadas de tecido e não é preciso estar a marcar cada triângulo com giz ou caneta própria para tecido, e depois a cortar com tesoura, ou seja, poupa uma data de trabalho e como tinha de cortar catorze bandeirinhas, reduzi bastante o tempo de trabalho, além de que usando este cortador conseguimos um corte perfeito. Não usando o cortador, desenhamos catorze triângulos e cortamos com a ajuda de uma tesoura bem afiada.

 

Depois prendemos as bandeirinhas com alfinetes ao fio ou fita, cosemos, tiramos os alfinetes e já está, bandeirinhas prontas para pendurar.

25
Jun14

10 - OS FILHOS, OS CABELOS, O NIRVANA E EU


Mac

 

 

 

O filho pequenino não gosta de cortar os cabelos. Não gosta e assim que lhe põem a bata desata aos gritos. Também, diga-se de passagem, eu gosto imenso dos caracóis daquele cabelo e só o corto quando já está incomodativo, mas está bem. Já experimentámos não pôr a bata e o resultado é o mesmo: gritos. Também experimentámos fazer o corte ao meu colo, sem ser ao meu colo, em movimento pelo cabeleireiro com ele a fugir e a cabeleireira a cortar como pode, enfim, experimentámos de todas as formas que a imaginação deixou. O resultado foi sempre o mesmo: gritos. Também experimentámos o meu cabeleireiro, o cabeleireiro da avó paterna e o da materna, o resultado foi sempre igual. Até que resolvi ser eu a cortar-lhe o cabelo em casa, sem o chatear com batas, obrigações de cadeira e isso. Correu muito bem, vou cortando enquanto ele brinca, ele não grita e eu até descobri que não tenho uma total falta de jeito para a coisa, quer dizer, não sou nenhuma especialista e até tenho um passado que me pesa, em que nas outras tentativas, os meus ricos filhos, que como toda a gente sabe são lindos, me ficaram com cara de penico, mas desta vez até correu benzinho. Vamos a ver como ficará da próxima vez.

24
Jun14

04 - PORRRRRQUÊEEEEEEE? [EM ESTRANGEIRO, UAI?]


Mac

Estou para aqui em prantos. Juro que já não me sentia assim desde os dezasseis anos, nem por um namorado. Então não é que sodona me enfiou na máquina o biquíni mais amado, aquele branco com missangas giras, junto com as meias dos meus homens amados, portanto marido e filhos, que por sinal são todas em preto e azul escuro. Cinzento escuro também. Acho que não preciso de explicar como ficou o meu biquíni branco, pois não? Nervos, estou com os nervos em frangalhos. Ao ponto do colapso. Porquêeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee? Que desgosto tãaaaaaaaaaaao grande.

 

Quem nunca perdeu o biquíni preferido desta maneira cruel, não sabe o que é um desgosto de amor.

 

[é que eu acho que aquele produto para pôr a roupa branca não dá para a lycra]

24
Jun14

06 - EU É MAIS COZINHAS, TACHOS E PANELAS. RAPAR TAÇAS TAMBÉM


Mac

 

 

 

 

Verão sem Gaspacho, não é Verão, digo eu, a fazer jus à minha fortíssima costela alentejana por vias de mãe querida, quer dizer, isto que se nos apresenta não é Verão, é-o apenas no calendário, mas o Gaspacho apeteceu-me e como o Gaspacho me apeteceu, fize-o

 

Faço um Gaspacho que é parecido com o alentejano, não é o algarvio e dá toques de andaluz, ou seja, não é nenhum deles, mas tem coisas de Gaspacho, e não lhe ponho o pimento que acho indigesto e só gosto dele cozinhado, acrescento-lhe os orégãos, que lhe dão um sabor único e ponho-lhe metade do pepino, porque lá está, com um pepino, perco o sabor dos restantes ingredientes. E uso sempre tomate xuxa, que eu acho que dá melhor Gaspacho.

 

E assim cheguei à receita do gaspacho ideal, pelo menos para mim e para esta família.

 

. 6 tomates maduros

. meio pepino

. 50 gr de azeite

. 20 gr de vinagre

. 1 dente de alho

. metade de uma cebola pequena

. orégãos q.b.

. sal q.b.

. 2 l de água

. cubos de gelo

 

 

Deitamos todos os ingredientes numa taça, excepto a água e o azeite e com a varinha mágica desfazemos, se for na Bimby pomos os mesmos ingredientes e programamos 15 s, turbo. Reduzo tudo a um creme, porque fica muito mais saboroso, não gosto daquela versão do Gaspacho em que os legumes ficam para ali a boiar em água, pronto, parece-me água de lavar pratos, mais por aí. Adiante. Por fim, deitamos o preparado numa taça, juntamos o azeite, água e gelo, misturamos e já está.

 

Quando estou para aí virada, escaldo o tomate para lhe tirar a pele, mas quase nunca estou virada para aí e vai mesmo com pele.

 

E pronto, Gaspacho bom que sei lá.

 

Ah é verdade, e também não lhe ponho pão.

24
Jun14

31 - AI CORRORI, OS MEUS OLHOS, OS MEUS OLHOS!!! [EM ESTRANGEIRO, AI CORRORI, MAI AIES, MAI AIES] [EM MUITO ESTRANGEIRO, AI CORRORI, OS MEUZÓLHOS, OS MEUZÓLHOS]


Mac

 

 

Não gosto dos Jelly Shoes, nunca gostei e não gostarei. Usei-os em criança e achava-os desconfortáveis e feios. Sei que quando era criança não se chamavam gelichues, era só sandálias de plástico e não gostava de os calçar depois da praia com os pés cheios de areia que não sacudia. Continuo o acha-los feios e desconfio que não evoluíram em conforto. Não quero saber que tenham sido redescobertos, ainda por cima com salto. Eu cá não voltarei a calçar aquilo. Jamais.

24
Jun14

10 - OS FILHOS, O SUPERMERCADO, O NIRVANA E EU


Mac

 

 

  

Os meus filhos fazem birras. Fizeram birras. De vez em quando ainda fazem birras. (*) E eu tenho dias em que sou uma boa educadora e não ligo às birras, um exemplo para os espectadores educadores dos filhos alheios e tudo, que sabem sempre tanto, ai mas tanto, que eu gostava mesmo era de ser assim, adiante, tenho dias em que ligo às birras, não estou para fazer braço de ferro, sou uma mãe mole e um pratinho cheio para os educadores dos filhos dos outros, que sabem sempre tanto do que vai nas outras casas e são uns exemplos a seguir. Como é fácil ser os outros na educação das crianças. Nós aqui temos dias. Eles têm dias. Eu tenho dias. Tantos.

 

E há dias em que nem estou para me chatear, para os chatear, para criar campos de forças em que cada um puxa para o seu lado. Não estou para isso, afinal o que aos olhos dos outros pode parecer um capricho, aos meus, que sou a mãe, até é uma experiência que não faz mal algum ao mundo, a eles e a mim. Quis andar no cesto do carrinho, andou, quero cá saber.

 

 

[às vezes olho para eles e dou-me conta que os deixo fazer quase tudo, bom, não é quase tudo, mas é bastante. sabendo que o bastante se encontra dentro daqueles limites do que me parece razoável, mas que aos olhos de alguns não é. e sabendo que o meu razoável os faz felizes, sem os tornar caprichosos, os faz acreditar neles, sem se acharem donos do mundo, os faz gostar das pessoas, sem se esquecerem de gostar deles. já os deixei chapinhar em poças e arruinar a roupa que levavam, já os deixei pintar uma parede, rasgar uma pilha de revistas, comer com as mãos, chapinhar na casa de banho, fazer pasta com pão e água e tantas, tantas outras inenarráveis coisas que os fazem tão felizes. não vem mal ao mundo. ao dos outros, ao deles e ao meu. não vem mal ao nosso mundo] 

 

[este meu filho tem uns pestanões que fazem sombra a qualquer extensão de pestanas. tivesse eu aquelas pestanas e nunca lhes poria rímel em cima]

 

(*) o mais velho já subiu o patamar da coisa e teima porque teima, mas pronto, tudo espremido, são birras.

23
Jun14

08 - O MARAVILHOSO MUNDO COISO DAS TIAS COISINHAS


Mac

Começo a achar que tenho uma fortíssima capacidade para atrair gente completamente varrida da psique. É assim uma espécie de propriedade que possuo, como as termas, mas ao contrário, portanto enquanto as termas nos proporcionam águas especiais para fazer bem às peles, respirações e isso, eu forneço vibrações, em que tudo quanto é doido, olha para mim, sente logo uma onda fortíssima, uma hipnose ou coisa que o valha e desata a alucinar na boinha e pronto, montam o circo e mostram a melhor palhaçada de que são capazes. E são capazes de muito. Isto, diria mesmo, começa a ser preocupante para os outros, claro está, porque para mim é apenas folclore, que aparece e se some com quem é dado ao coiso, é que tenho mesmo esta rica propriedade de pôr as pessoas mais sérias, mais compostas, mais tudo, a fazer as figuras mais tristes que se possa imaginar. Juro.

 

O caso foi o seguinte, eu estava acompanhada do meu filho mais velho, riquezas desta sua mãe, algures numa coisa e vai a louca e desata-me aos gritos assim  então o meniiiiiiiiiino vem do colégio, tá a ver? E quer passar um bocado aqui, tá a ver? E pega no telefone, tá a ver? E liga aqui para a tia, tá a ver? E diz assim óooooooooooo tiaaaaaaaa vou agora para aí um bocaaaado. E eu que sou uma pessoa distraída desatei à procura da tia, mas não a encontrei, mas pronto, disse à coisa que o filho mais lindo, o meu, não tem telefone, tem lá idade para ter telefone, credo, e achei que era melhor atalhar por aí e não me prender com minudências, árvores genealógicas, primos, irmãos, avós e o coiso.

 

 

[há pessoas que me confrangem. muito. muito. muito]

 

[explico: eu nunca tinha visto a pessoa na minha vida, ela nunca tinha visto o meu filho. juro que nem percebi porque é que o meu rico filho trataria uma pessoa que nunca vimos nas nossas vidas por tia. porquêeeeeeeeeeeeeeeeeee? porque é que só me aparecem tontas à frente? tanta pomba assassinada e o resultado é este?]

 

[sim, é verdade, sou um bocado beta, mas já sou há muitos anos. por outro lado, ou o mesmo, diga-se, os meus filhos, filhos de uma beta, portanto, tratam os nossos amigos por tios, assim como os pais dos amigos deles e o coiso, é verdade, mas só. é verdade, sim senhora, mas não tratam tooooda a gente por tia, por exemplo, tratam a mãe deles por mãe e as avós, por avó. é a loucura, bem sei]

20
Jun14

673 - LAI LAI LAI


Mac

E depois há os vestidos da Lilly Pulitzer, que amo de paixão, sem medidas, desmesuradamente, sem mãos a medir e tudo, e de que já aqui falei.

 

Este é o grupo ganhador, mas que me deixa indecisa para os casamentos, já para o baptizado, acho o do meio bem giro (e não é por nada, mas eu até acho que os mereço todos, todos, toooodos, até lhes basta o mesmo par de sapatos e tudo), 

 

 

 

 

Depois segue-se este,

 

 

 

 

 

E claro, que os olhos me fogem para os brancos, mas que agora para o caso, não me podem interessar,

 

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D