Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

a vida em azul cueca

18
Fev15

163 - A DONA DE CASA PERFEITA(MENTE DESESPERADA)


Mac

 

 

 

Sobre a vida, sacos e cenas. Ando meia coisa com as opções que o tio disponibiliza para  a cena dos sacos de plástico. O que sucede é o seguinte: eu faço a maior parte das compras online, ora o tio garante que nas três primeiras encomendas, após 15 de Fevereiro, não vou pagar sacos, mas depois dessas três encomendas, vou ter que os pagar e se não me engano, parece-me que bem. Sabendo que a média nas minhas encomendas, ronda os cinquenta sacos, sim, leram bem, e não é por encomendar todo o supermercado, é porque o tio para me enviar ovos, embrulha-me as caixas em quatro sacos, o tio para me enviar uma pasta de dentes, usa um saco, para os cominhos outro saco e para os rabanetes outro saco, ora se o tio me separa ao exagero todos e todos os bens diferentes entre si e idênticos em género entre si, mas diferentes aos seus olhos, e se eu sei que o tio é um gastador compulsivo de sacos, portanto o tio não me optimiza os sacos, eu não sei se posso continuar a fazer encomendas online e a pagar € 5.00 em sacos, mas também não sei se quero deixar de fazer e voltar a percorrer aquele calvário do estaciona carro/tira moeda para carrinho/puxa carrinho/percorre supermercado/põe tudo na caixa/embala/volta a pôr no carrinho/põe no carro/arruma carrinho/tira do carro/carrega/arruma em casa. Depois analisando ali as explicações, o tio também arranjou uma coisa a que chama pack de entregas, na qual nos fidelizamos a não sei o quê, temos sacos de plástico gratuitos durante quatro meses, mas continuamos a ser uns teimosinhos inimigos do ambiente.

 

Tudo espremido, optar por saquinhos de papel é que não, ora pode lá ser, a coisa até seria ecológica e isso, mas não, o tio quer sacos de plástico e pronto. Olha, se calhar mudo-me para onde me enviem as compras em sacos de papel, onde não haja fidelização não sei quê, onde se dêem ao trabalho de não gastar cinquenta sacos de plástico, que eu vou pagar, onde até se dignem a me entregar as coisas em caixas e na loucura, até possam esperar que eu as tire, e no final recolham as caixas.

 

 

[entretanto já ando sempre com o meu saco na mala, porque sou dada ao esquecimento do saco no carro e gosto muito disto de não pagar dez cêntimos cada vez que vou à farmácia e à padaria e à pastelaria e tudo e tudo e tudo, e sim, eu tenho o saco mais giro, pois tenho, aliás parece-me que sou precursora de uma nova moda de saco da mercearia, toda ela envolta em enorme glamour, já se sabe]

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D